Quando se olha para o Novo Testamento, percebe-se claramente qual foi a missão que Jesus deixou para os seus discípulos: “Ide e fazei discípulos”. Os evangelhos foram escritos para que ficasse gravada qual era a mensagem que deveria ser pregada, o Reino de Deus, o Messias, o Evangelho. Com o desenvolver da pregação dos apóstolos, foram surgindo os cristãos nas cidades que, juntos, iam formando as igrejas do Novo Testamento e, assim, surge a necessidade de outro tipo de literatura, as cartas. Majoritariamente escritas pelo apóstolo Paulo, as cartas são, muitas vezes, grandes tratados teológicos para que fosse colocado em ordem o ensino e as práticas dessas igrejas que iam surgindo.

         A Igreja, sem uma compreensão correta da teologia, é uma igreja como as muitas que Paulo teve que exortar ao longo de seu ministério, cheio de dificuldade e, muitas vezes, patinando no seu propósito e missão. No capítulo 3 de Efésios, Paulo diz que é por meio da igreja que muitos iriam conhecer os poderes de Deus e, no capítulo seguinte, ele diz que é por meio do conhecimento de Deus que chegaríamos à maturidade. Ou seja, uma igreja que não conhece verdadeiramente a Deus é imatura e despreparada para cumprir sua missão.

         Existem muitas formas de a igreja estar centrada numa boa teologia. Primeiro, seu líder deve estar sempre bem capacitado com uma boa teologia que produz uma vida de piedade nele. Segundo, os membros da igreja também precisam se sentir encorajados a ter uma boa teologia e se dedicarem aos estudos das Escrituras. Por último, toda a comunidade precisa entender que é responsabilidade de todos a aplicação dessa teologia na sociedade e vida comum.